Atos de Vingança

 

Atos de Vingança é uma banda punk da Zona Leste de São Paulo. Apesar do cotidiano caótico em que vivem a banda tenta passar uma mensagem positiva e construtiva através da sua música. A banda tem se firmado com a seguinte formação: Rafael (vocal), Diego (baixo), Marcelo (guitarra) e Bruno (batera). Conheça um pouco mais sobre a banda!!!!

1- Nos fale um pouco mais a respeito da banda, a quanto tempo estão juntos, line up atual.

AdV- Bem vamos lá. Surgindo de uns bairros mais pobres da zona leste de SP (Parque são Rafael – São Mateus),começamos nossas atividades no inicio de 2005, desde então, a banda vem apresentando um som direto e agressivo ,ou seja, um Punk HC básico e cru. O ATOS DE VINGANÇA é uma banda PUNK, esse foi o ideal q adotamos, mas ñ somos radicais e nem presos a uma pegada só. Apesar de manter o ideal e a cultura Punk em prioridade e apresentar um discurso contestador e crítico, temos também uma proposta de passar uma mensagem positiva, de auto estima, essa é uma das idéias da banda. Apesar de 4 anos ser considerado pouco tempo, nós já enfrentamos muita coisa, muitas barreiras. Os problemas existem, principalmente os financeiros, a falta de dedicação da galera q esta envolvida com cena desanima também, a saída dos ex integrantes atrasa tudo. Mas continuamos a encarar as dificuldades e levamos com muito esforço a banda pra frente. Amadurecemos muito enquanto banda e dessa forma mesmo, a cada dia, o ATOS DE VINGANÇA tem se mantido firme no cenário Punk HC com sinceridade e respeito. A atual é formação é Rafael (vocal), Diego (baixo), Marcelo (guitarra) e Bruno (batera).

2- Quais são as influências sonoras da Atos de Vingança?

AdV- A resposta a essa pergunta é meio q “relativa”, pois cada um da banda tem suas “bandas favoritas”. Bom, mas nossa principal influência e inspiração, com certeza é nossa própria vida, nosso cotidiano, nosso dia a dia, fatos q vivemos e observamos nessa cidade maluca composto por uma sociedade totalmente intolerante e preconceituosa. Através dessas “inspirações” surgem a criatividade para colocar prá fora todo o ódio e revolta.
Agora “sonoricamente” falando, nossas influências é o Punk HC básico, desde as bandas pioneiras : Ramones,Stiff Little Fingers, The Clash, passado pelas as mais agressivas : Exploited, Discharge, Kaaos, Riistetyt, Dead Kennedys, Misfits e é claro, as bandas “brazucas” : Cólera, Ratos De Porão, Olho Seco, Restos de Nada, Inocentes, e as mais atuais (q já ñ são, tão novas assim) : Agrotóxico, Invasores De Cérebros, Deserdados, Luta Armada, Calibre 12.

3- Conte-nos um pouco a respeito da vivência punk de vocês na cidade de São Paulo.

AdV- Acho q sobreviver em SP já é uma tarefa meio que complicado, imagine então sobreviver dentro da sua própria cultura nessa cidade maluca… É sim uma missão bem difícil, mas sei q ñ é impossível!!. Nossa luta diária ñ é fácil. Vivemos na cena PUNK, valorizamos as bandas, nossas amizades. Não nos consideramos melhores, nem piores que ninguém. Pensamos em mais que música, acreditamos na atitude, na humildade e camaradagem acima de tudo, e fora disso temos nossas vidas, trabalhamos, estudamos…enfim, somos apenas mais 4 cidadãos , apenas 4 jovens no meio da multidão sobrevivendo a cada dia nesse metrópole confusa e violenta.

4-Como foi a repercussão do lançamento do primeiro full lenght da banda “Programada a Auto- Destruição em Massa” lançado em 2006? Onde podemos encontrar este material?

AdV- Bem ,esse foi nosso primeiro lançamento, nosso primeiro trabalho, é até q superou nossas expectativas. Ele foi gravado e lançado totalmente ao velho espírito do it your self .De fato acho q poderia ser melhor se tivéssemos trabalhados fortes na divulgação e com isso, as coisas demoram pra acontecer, mas de qualquer jeito, ñ deixa de ser nosso primeiro registro, e estamos há mais de 3 anos na divulgação dele em meio a cena.

5- Em 2007 foi lançada a Coletânea “Chaoz Day” pelo selo Casa Punk Records na qual a Atos de Vingança figura com muita propriedade. Há rumores que a banda está em vias de gravação pelo selo Casa Punk Records. Quais são as expectativas da banda com esta gravação?

AdV- O Chaos Day com certeza, até o momento é nossa maior vitória, sem palavras para descrevê-lo !!! Todo o processo, o trabalho, o tempo, e no final deu tudo certo e com certeza foi muito glorioso. Foi um trampo feito por punks para própria cena PUNK, um trabalho feito em conjunto entre as bandas e o selo. Com essa coletânea, conseguimos mais contatos, mais amizades e o mais o mais importante, provamos para nós mesmo q, se vc luta pelo seu ideal e faz um trampo sincero, com certeza o resultado final será muito gratificante, bem feito e sempre na mentalidade do “faça vc mesmo”. Vamos sim lançar um material oficial pelo selo Casa PUNK recordes, ainda estamos compondo mais está bem adiantado, já até estudamos como será o processo e divulgação desse cd. Só ainda ñ iniciamos a gravação, pois mudamos de guitarrista agora nesse mês de maio/09 o q atrasou a gravação.

6-A cena de SP é de fato muito peculiar e sem dúvida uma das cenas mais ativas em produções punks. Embora muito produtiva ainda é uma das cenas mais violentas que se ouve falar. O que vocês poderiam dizer a respeito dessa situação nua e crua da cena punk de SP? Violência, produções, punks. O que vocês pensam a respeito? O que de fato acontece por aí?

AdV- São Paulo é uma cidade enorme, gigante, a cena aqui é muito grande. E existentes várias cenas alternativas e dentro dessas cenas, existem varias “subdivisões”, ñ vou dar uma de dono da verdade, Ñ ESTOU JUGANDO E FALANDO Q ISSO É CERTO OU ERRADO !!!. Eu vejo que hoje,mais do q nunca, e com certeza :pra sempre,o punk se espalha e cria raízes. E aqui em SP é um lugar onde o punk mais obteve identidade, coesão e força, o punk conseguiu o seu espaço através de luta e persistência. A Intensidade da “coisa” é muito grande. Poderíamos ñ se limitar ao Punk, pois hoje em dia esta cada vez melhor e muito maior a cena underground no geral, existe uma quantidade enorme de ponto de vista diferentes, vc encontra pessoas de vários estilos e a maioria das vezes se dando bem e principalmente se respeitando. É claro, há um pessoal q se isola e vêem de maneira preconceituosa estilos q ñ seja o seu. Mais acho q cada um, é cada um. As pessoas tem o seu direito e liberdade. A também o lado doente, deprimente e maldito do punk, onde ingenuidade da lugar a coisas mais radicais, mas sobre violência, bem eu, acho isso relativo, pois violência existem em todos os lugares, em todas as cidades e em todas as “camadas” dessa sociedade, ñ só no PUNK.

7-Vocês têm participado de várias gigs, nos conte como tem sido esses shows. Vocês já tocaram fora da cidade de SP? Se já, em qual cidade e como foi esse som?

AdV- Bem, são 4 anos sem parar, e mesmo passando por algumas mudanças na formação, nunca paramos !!. Nesse tempo teve várias gigs, participamos de gig beneficentes, alguns sons foram totalmente uma bosta, onde vc faz um puta rolé, pra chegar lá, e tocar pra um monte de moleques bêbados q ñ estão nem aí para o seu trampo, outros sons, inesquecível, como tocar ao lado de uma banda q te influenciou, ao lado de bandas de camaradas, a galera agitar e vc fazer novas amizades, isso é ñ tem preço e é, o q faz agente seguir em frente. Já tocamos no interior de SP e recebemos convite de cidades do litoral de do estado de RJ, mas devido a falta de verba, tivemos q cancelar, quem sabe as coisas melhorem para frente.

7-Nos fale dos projetos da Atos de Vingança para 2009.

AdV- Acabamos de mudar de guitarrista nesse mês de maio, espero q agora essa formação fique fixa por um bom tempo. E nossa proposta é tocar !, fazer barulho, passar nossas mensagens e fazer e cultivar novas boas amizades, e buscar um vínculo maior entre a galera punk e da cena no geral. Ñ nos interessa se fulano tretou com ciclano…ñ estamos interessados em brigas, acho ridículo e perda de tempo e ficar discutindo assuntos sem conteúdo enquanto tem tanta coisa legal acontecendo. Acredito eu q, as coisas só se tornam ruins quando a gente crê nisso. As dificuldades passam a existir quando acreditamos nelas. Acreditamos na nossa cena e nas pessoas de atitude positiva. Queremos q nosso processo funcione, e fazer acontecer e dar continuidade a esse nosso trampo. Vamos nos dedicar a esse nosso cd pelo selo casa PUNK, e temos também um projeto em mente, q será realizado ainda esse ano, um cd-split ao lado de uma banda parceira, a banda do litoral Paulista : Dizcontrole.

8-Além da Atos de Vingança, alguém da banda tem outros projetos? Bandas, zines, distro?

AdV- O nosso baterista vem de outra banda, q no momento esta meio parada chamada : P.D.N., o som é mais voltado pro GrindCore. No momento ñ estou envolvido com nada “concluído”, apenas alguns textos de alguns artistas q transmitam por alguns ambientes, vez ou outra escrevo algo pra zines locais.

9-Agradeço a Atos de Vingança pela oportunidade de entrevista-los e saber um pouco mais a respeito da banda. O espaço está aberto. Obrigada!

AdV- Em primeiro lugar, muito obrigado pelo interesse a nossa banda e pela entrevista. E em segundo lugar agradeço a todos q estão no nosso lado, seria meio q, impossível colocar e lembrar o nome de todos, por isso é um agradecimento geral a todos q nos apóia. E em terceiro lugar e mais especial, a todos q tem e mantém o espírito punk correndo na veia e a rebeldia adolescente queimando na carne. Somados a uma dose de criatividade e aos olhos atentos para tudo q acontece a nossa volta manteremos o PUNK vivo e produzindo ativismo, mentes livres e politizadas, e é claro, bandas e mais bandas q mostrem algo q nasceu há mais de 30 anos e evolui e evolui até hoje!!. Nem só de desgraça, derrotas e tragédias vive o punk, sua sobrevivência é uma grande vitória!!!. Mantenha sempre a chama Punk e do underground no geral acessa !!.Apoie os zines, distros e bandas. Luta pelas suas idéias, ñ se acomode, participa, produza faça algo e : MANTENHA-SE SEMPRE LIVRE!!!
Contatos:

 

 

Rafael Ferreira
Rua Esperança, n° 10 – Jd. Sto. André – Parque São Rafael
CEP: 08390-545
SÃO PAULO / SP
[email protected]
http://www.myspace.com/atosdevinganca

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas