Daniel Beleza

 

A entrevista só não esteve PRESENTE Daniel Belleza que estava no banho durante a conversa.
Perguntas : Cremogema
Respostas: Jeff Molina- bateria , Johnny Monster- guitarra e Joe- baixo

Quando realmente começou a banda ?

Joe : Eu e o Johnny tocamos desde 1993 juntos , tínhamos uma banda e de certa forma foi indo ate virar Daniel Beleza , que foi em 2003.

A banda nunca se preocupou em agradar a diversos públicos diferentes , fazem letras não especificamente pra um público x ou y ….

Joe : É isso mesmo, no primeiro disco tem letra de 10 anos a trás , tudo quem escreve é o “Beleza”, mas nunca pensamos em fazer uma música por que o som tem que ser pop, e vamos agradar… o rock já é pop, já é popular desde os anos 50.

Como é feita essa seleção das letras , como você próprio me disse antes tem letras de 10 anos , 5 anos …

É tudo do Daniel … ele tem um lance cheio de letras , e vai escrevendo … escrevendo … um material literário dele grande mesmo , e ele sempre diz “achei a letra legal e faz a música,.

Mas a banda em si chega a analisar o material ?

É bem democrático, a gente pode não gostar e entrar num acordo , mas sempre esta bacana , ele é um cara que escreve bem . Mas agora é um plano da gente participar mais na composição , não na letra , por que ele escreve bem .. e vamos cantar o que nos agrade, até por que ele nunca vai cantar algo pra agradar gregos e troianos , e sim que nos agrade mesmo. Ele é um cara bem inteligente , bem culto mesmo, muito literário, português perfeito, mesmo ele falando outras línguas ele presa pelo português .

A maioria das musicas são em português ?

A maioria sim. A “vaca” mesmo tem parte que é em Frances . Inclusive tem arranjo novo, que vamos fazer hoje no show.

Influências ?

Várias, cada um tem um pouco, de brasileiro tem muita coisa que a gente gosta , por exemplo Mutantes, Zé Ramalho, Secos e molhados , musicas dançantes … tem uma balada ou outra , o show mesmo é mais no pique . Somos tipo Ramones, eles falam que não pode tocar balada em show , e todo somos fãs do ramones pra caramba. Por que quem não gosta de Ramones nem banda de rock é .

Então por isso também tem uma certa influência do Iggy pop ?

A começar pelo nome da banda que é composto, o front man e a banda .

Por que “corações em fúria “?

Por que fica mais carismático, ele já tinha o trabalho dele e também ficava mais verdadeiro, ele é um cara poético, cancioneiro. Fora ser um nome bem popular “Daniel Beleza” , bem brasileiro , além de ser o nome dele mesmo.

Essa a é a terceira vez de vocês em Uberlândia?

Sim. Aqui é sempre bom vir , a gente adora tocar aqui, hoje mesmo é bate e volta, 8:00 da manha vamos embora, (eram 22:00 no hotel) mas vale a pena .

A ultima vez no jambolada vocês entraram tarde , gostaram do show ?

Tocamos apenas 15 minutos, tom Zé NE … mas foi legal.

Qual a expectativa ?

A melhor possível , vai ser um show legal com várias musicas do primeiro e segundo disco, não sei se vamos tocar música nova, mas todas as conhecidas que o pessoal gosta de ouvir nós vamos tocar.

E material novo já tem ?

Tem uma .Ta legal, mas não vamos tocar hoje, ainda precisa dar uma entrosada , ta no caminho novo da banda já .

Ligação do goma pedindo a banda no local do show encerrou a entrevista …. em breve faremos uma nova com mais detalhes pó email ou MSN .

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas