Herdeiros do Ódio

 

Perguntas: Valéria

Respostas: Herdeiros do ódio

Conte-nos um pouco sobre a trajetória da Herdeiros do Ódio no cenário punk atual.

Herdeiros- A banda teve inicio no ano de 2005 no subúrbio da zona sul de são Paulo, nessa época dentro do cenário punk não existiam muitas bandas punks hardcore e nem muita influencia de hardcore entre os punx (tanto no som como no visual).
Então para nós foi como um “divisor de águas”, pois nessa época praticamente todas as bandas tocavam punk rock e dificilmente encontrava-se punx de visual agressivo, o que ocasionou a idéia do som cru e o visual carregado da banda.

A banda passou por algumas mudanças nos últimos anos com relação à formação. Tendo em vista esse processo o que vocês poderiam dizer que mudou no som da Herdeiros com essas idas e vindas e qual o atual line up da banda?

Herdeiros- A banda passou por varias fazes, pois cada integrante que passa deixa um pouco de sua influencia,sendo assim houveram mudanças consideráveis na sonoridade e na postura da banda,mas nada proposital ou forçado são mudanças que vieram naturalmente devido as características de cada um.
A atual line-up da banda é: Fernando – vocal, Paulo – guitarra, Dud – baixo e Kayame – bateria.

Vocês já participaram de várias coletâneas e estão em processo de gravação do primeiro full lenght da banda. O que podemos esperar desse novo lançamento? Já tem alguma data prevista?Será lançado aos velhos modos Do it Your Self ou tem algum selo envolvido?

Herdeiros- Pode-se dizer que o CD será a mais pura violência sonora, pois estamos com bons sons novos tão rápidos e agressivos quanto os primeiros,sons como: “hard core por ódio” e “mundo de ilusão” que já estão gravados e assim que terminar a mixagem iremos colocar no myspace para ouvirmos a opinião de vocês,já a data depende de como vamos lançar esse material pois estamos considerando propostas de selos,mas temos a idéia de que saia ainda esse ano por selo ou não.

Como foi a experiência de tocar em outros estados como Paraná e Santa Catarina? Já existem outras propostas de sons em outras cidades?

Herdeiros- Sem dúvida tocar em outro estado é uma experiência inesquecível pois conhecemos muitas pessoas fizemos novas amizades(que mantemos contato até hoje)além de conhecer cenas e culturas características de cada cidade.
Ainda não temos datas previstas para shows em outras cidades, mas aceitamos convites… hehehehehehe.

“Andar com as próprias pernas”, sem dúvida é uma característica marcante da Herdeiros do Ódio. Nos conte como tem sido as produções culturais em sua cidade. Alguém na banda tem outros projetos além da Herdeiros?

Herdeiros- A Respeito das nossas produções culturais pode-se dizer que estão em baixa (não só as nossas, mas de toda a cena punk local), pois cerca de um ano pra cá não tem se arriscado muito esses tipos de produções culturais na cidade de São Paulo principalmente produções de grande porte como passeatas, manifestações e grandes festivais devido à repressão policial e política desencadeada por fatos de violência e exposição da mídia envolvendo a cena punk (como Vocês devem lembrar).
Mas o punk é assim mesmo cheio de altos e baixos e assim que a poeira abaixar o punk vai mostrar a sua força outra vez.
Já a respeito de projetos, dois integrantes da banda (kayame e dud) tocam em uma outra banda chamada “The Junkie Terror” que pode ser conferida através do myspace (www.myspace.com/junkieterror),além de uma produtora chamada Riot Attack!!!(www.myspace.com/riotattack!!! que teve inicio esse ano.

Como foi a experiência de ter saído em uma coletânea de respaldo nacional e por que não internacional como foi a Chaoz Day? Vocês acreditam que a banda acabou obtendo maior visibilidade no cenário punk após essa coletânea uma vez que a junção selo/banda tenham sido de fato um ingrediente perfeito para uma ainda maior difusão do som da Herdeiros do Ódio?

Herdeiros- Sem dúvida o Chaoz Day foi um marco na história da herdeiros(foi como um empurrão que estávamos precisando tomar a um o bom tempo…rs),pois devido a seu respaldo como você mesmo citou ficamos ainda mais conhecidos, o que acabou ajudando muito na divulgação da banda e no reconhecimento do nosso som.
Mas realmente sem dúvida algo que foi essencial tanto para o chaoz day quanto para a herdeiros foi o seu lado D.I.Y do trabalho o que deixa certamente qualquer punk com vontade de ter um material que foi feito por punx para punx!

Fale-nos um pouco mais sobre a coletânea “América es Punk”. Como ela foi idealizada, quais foram às bandas participantes e como foi à repercussão desta pelo mundo.

Herdeiros- América és punk foi uma iniciativa de uma banda da Argentina chamada Kristo muerto, mas precisamente do Alex(baixista da banda)ficamos sabendo da coletânea através do Alex mesmo pois sempre estávamos em contato.Ele nos disse que precisava de duas bandas do Brasil uma já havia sido escolhida por ele que éramos nós, a outra banda que nós indicamos foi o luta armada.
A respeito da divulgação da coletânea, não sei dizer ao certo como esta, mas já temos autorização para lançar a coletânea aqui no Brasil, mais precisamente no começo do ano que vem.
As bandas participantes são:Herdeiros do ódio,ácidez,anti-armada,bronkarmada,los carroñeros,devaluados,komaepatiko,kontraestado,kristo muerto,rechasos,sin patria,suburbio,usa waste e luta armada.

A demo “Violência Sonora” lançada em 2006 foi sem dúvida o ponta pé inicial para os acontecimentos seguintes para a Herdeiros do Ódio. Esta demo ainda está disponível? Como o pessoal pode adquirir este e outros materiais da banda?

Herdeiros- A demo “violência Sonora” sem dúvida foi o começo da banda e nos ajudou muito (e ajuda até hoje). Essa demo ainda esta disponível sim, mas ultimamente estamos recebendo mais pedidos na Europa do que no Brasil.
Para todos aqueles que quiserem adquirir o CD demo “Violência Sonora” ou qualquer outro material nosso podem mandar um E-mail para [email protected]

O que a Herdeiros busca expressar através das suas letras?

Herdeiros- Expressamos todo ódio que sentimos por essa sociedade hipócrita que vivemos hoje. Além de músicas voltadas para a cultura punk como uma forma de homenagear aquilo que acreditamos e vivenciamos.

Como uma banda Raw Punk a Herdeiros do Ódio encontrou alguma “dificuldade” em “instalar-se” em outras vertentes do punk em decorrência de sua postura? Como tem sido a vivência punk na cidade de vocês?

Herdeiros- Nunca tivemos nenhum problema de tocar em outras vertentes do punk ou para outro público qualquer que seja até hoje (em alguns casos houveram discussões em shows devido a desavenças pessoais, mas nunca como banda).
Eu diria que hoje em dia a nossa vivência punk na cidade de São Paulo é igual à de quatro anos atrás, pois simplesmente não tem como não vivenciar aquilo que nos motiva.

Sem dúvida alguma existem coisas muito mais importantes para serem discutidas dentro do cenário punk que não sejam apenas “tretas. Ainda assim gostaria de saber qual o posicionamento da banda com relação as constantes “tretas” que são geradas dentro do cenário punk de tempos em tempos e que acabam perdurando por mais tempo do que deveriam?

Herdeiros- Sem dúvida existem tretas no meio punk, mas também existem tretas em todos os meios que vivemos hoje, querendo ou não. O que se pode dizer é que o ser humano sempre estará brigando entre si enquanto não aprender a viver em grupo.
Em relação a nossa postura quanto a essas brigas dentro do meio punk é que enquanto elas existirem continuaremos a nos contradizer e não estaremos produzindo tanto quanto iríamos produzir se estivéssemos realmente unidos.

Conte-nos sobre os projetos da Herdeiros do Ódio para este ano.

Herdeiros- Bom esse ano já esta praticamente no fim, mas ainda pretendemos tocar em outros estados e quem sabe até em outros paises e finalmente lançar o nosso Cd… rs.

Gostaria de agradecer a todos pela atenção, carinho, respeito e amizade. O espaço está aberto…..Up The Fucking Punx!!!!

Herdeiros- Primeiramente gostaríamos de agradecer a você pela amizade e pela oportunidade de divulgar as nossas idéias e materiais, além de prestigiá-la pelas ótimas perguntas elaboradas nessa entrevista.Gostaríamos também de dizer a todos os punx que estão lendo essa entrevista que nunca desistam do punk, pois ele nunca vai desistir de você!!!

Nosso contato é:
[email protected]
myspace- www.myspace.com/herdeirosdoodio
Abrax a todos e muito obrigado pela força!!
RAW PUNK AS FUCK!!!
(por: Välériä Rå Pünx)

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas