Protesto Suburbano

 

Perguntas: Prude

Respostas: Protesto Suburno

1-Para comemorar 15 anos, saiu em formato digital uma coletânea e, um pouco antes, o álbum “Em que mundo nós vivemos”. Como está a repercussão dos álbuns?
Ta bem bacana.Temos uma mini tour e alguns shows marcados. Vamos trabalhar esse cd e a coleta.

2-O Rio voltou ater bandas de punk/HC em evidência. Seria uma impressão de quem vê a cena carioca de longe ou ela realmente estava meio parada e agora voltou com força?
Não sei. Estou no interior, no tenho noção de como está lá no Rio.

3-Vocês mantiveram-se sempre fiéis ao HC old school, mas os três álbuns diferem-se um do outro na sonoridade. Você acha que isso se deve ao tempo entre um e outro ou foi algo pensado pela banda?
Simples: agente faz o que tem vontade. Os sons e as letras na linha Protesto Suburbano vão fluindo naturalmente.

4-15 anos de banda e as letras do começo continuam atuais. Isso é bem triste, não acha? Pois mostra que nada muda para melhor e se mudam com certeza estão piores.
Cara eu acredito e vejo que muita coisa mudou.Acho que a primeira atitude de mudança foi minha, com a mente aberta consigo ver melhor tudo, com sobriedade também ajuda. Mas é isso. Existem muitos picaretas, mas vamos continuar falando o que pensamos por algum tempo.

5-E a cena crescendo com boas bandas reflete também nos locais para shows? Existem bons locais para tocar no estado do Rio?
Cara, aqui no interior, pra ser mais claro Macaé a gente tá bem satisfeito. Arrisco dizer que é o melhor lugar pra tocar no Rio, ao menos pra nós.

6-Shows pelo Brasil, existem planos ou a correria da vida pessoal dos integrantes impede?
Estamos com uma mini tour com Providence (França) e Norte Cartel. E em breve uma tour maior com bandas legais em outubro e vamos tocar divulgando nosso cd Em que mundo nós vivemos.

7-“Em que mundo nós vivemos” ficará apenas no formato digital? Pelo que li na época, existiam planos de lançá-lo na forma física. Essa ideia foi abandonada?
Já tem em shows ele em formato físico.
8-Planos para o futuro, o que podemos esperar da banda esse ano e nos próximos que virão?
Vem ai um DVD de clipes , e também o DVD documentário 15 anos.

9-Pra finalizar, defina “Hardcore sem lero-lero”. (hehehe)
Pra mim é fazer o que pensamos. Não agredir ninguém, e pedir a Deus para nos dar paciência – pois se der força podemos bater em alguém, – serenidade e viver e deixar os outros viverem. Isso é hardcore sem lero lero.

Valeu preciar tamo aqui.

(Valeu. Se precisar, estamos aqui.) ???

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas