Sub Monsters

Sub Monsters é uma excelente revelação da cena porto-alegrense.
Com apenas seis meses de existência já gravaram um EP e fazem vários shows. Bati um papo com o vocalista Tom, mas, como vocês podem conferir abaixo, é quase impossível falar sério com ele.

 

1-A pergunta clássica, como e onde a banda foi formada?

Então, o começo da Sub Monsters veio do final da minha outra banda, a The Zumbillys, que acabou em 2008. Era eu, o Cristiano, o guitarrista e mais outros indivíduos.
Aíi ficamos um tempo na espreita e, num almoço aqui em casa agente se pilhou em voltar a fazer um som.
Aí chamamos o André para tocar bateria e o Felipe pro baixo, e começamos a ensaiar em janeiro de 2010.

2-Então em pouco tempo de banda vocês têm se mantido em constante atividade, inclusive tendo gravado um EP com quatro sons, quais os planos para a banda?

Então, nosso plano é de dominar o mundo e depois de dominado trazer todos os marcianos para a Terra.

3-HAHAHAHAHAHAHAAH esse bom humor se reflete nas letras, quem escreve elas?
Todos os sons da banda são feitos no ensaio, na hora mesmo, e saem do nada.
É sempre de alguma conversa, e aí a gente avacalha tudo mesmo.
Tipo a Rola: era de uma conversa que eu tive quando terminei meu namoro, e falei que sentia falta de felação. HAHAHAHAHAHAHAHA! Aí saiu a letra.

4-Quanto à gravação do EP, ele saiu poucos meses após a formação da banda, a ideia é levar a banda a sério?

Velho, a gente fez a banda para ter uma desculpa para beber e se drogar mais.
Por esses dois motivos, levamos a serio sim, mas do nosso jeito.
Jeito moleque de ser, entende?

5-Entendo sim, mas mesmo com o “jeito moleque” de levar a banda, o show de vocês é muito bem feito, com muita energia e com sua performance bem característica.

Tu acha?

6-Acho sim.

É tudo natural. E acontece porque na maioria das vezes estamos ou muito drogados ou muito bêbados. Ou os dois.

7-Vocês têm tocado bastante em Porto Alegre. Existem bons espaços para shows? E se sim, a banda recebe o merecido reconhecimento por parte do organizador?

A gente toca relativamente bastante em Porto por que colocamos a cara para bater. Vamos direto nos picos de shows, colocamos nosso equipamento e ganhamos nosso dinheiro.
Nós somos os organizadores na maioria das vezes.
E quando nos convidam, são o pessoal das bandas dos camaradas, como Diablo, Tamborellos, Ódio Urbano.
Por isso tocamos bastante.

8-E como pintou o convite para o Psycho fest, em Curitiba?
A gente já tinha tocado com a Ovos Presley e com o Sick Sick Sinners quando eu e o Cristiano tínhamos a Zumbillys. Oor isso, tínhamos o contato. E quando lancamos o EP, tínhamos planos de ir tocar em Curitiba, mas não no Psychofest, e sim em alguma mini-tour por lá.
Mas aí rolou o convite para fazer dois shows lá, em Curitiba e São José dos Pinhais, com bandas que agente realmente curte.
Para nos isso é foda, meu. Porque a gente faz um som que o pessoal acha que a gente tá se arriando, mas na realidade nossas canções são mensagens que nos mandaram e a gente passa para a música. E o pessoal do Paraná entendeu e nos chamou.
Já tem convite para tocarmos em São Paulo e Minas Gerais.

9-O Psychofest é uma excelente chance para a banda. Foi difícil organizar o tempo livre do pessoal pra viajar e ficar alguns dias fora?

Todo mundo teve que inventar alguma coisa no trampo, mas vai valer a pena

10-Com certeza! Quando vão ser esses shows?

Quando fecharmos os valores, porque só aceitamos barras de ouro, então é difícil, porque barras de ouro valem mais que dinheiro e, em Marte, ouro já ta valendo muita coisa.

11-Silvio Santos seria vosso líder?
Não. Nosso líder chegará junto com a nossa vitória sobre os terrestres, por isso eu digo, quem for fã da Sub Monsters será considerado aliado e terá uma função no nosso mundo.

12-É bom saber disso. Mas voltando a falar do Psychofest, os shows são agora nesta semana?
Sim. Nesse sabado e domingo.

13-E quanto a shows em São Paulo, tu disse que vocês receberam convite. Como andam as negociações?

Temos conversas bem encaminhadas, mas é tudo difícil, porque tem que ver agenda do trampo, tem que bater trampo, família tudo, e de quatro pessoas. Então é difícil. Mas vai sair antes da dominação.

14-E quanto a gravar novos sons, eles sairão antes ou depois da dominação?

Estamos já com oito sons novos e gravamos eles em dezembro.
Vai mudar um pouco a sonoridade da banda.

15-Bom, muito obrigado pela entrevista. Quando novos sons saírem, voltamos a conversar.

Não! Só se a mãe deixar. HIHIHIHIHIHIHIHI

 

TramaVirtual
http://tramavirtual.uol.com.br/submonsters
Baixe nosso EP.
http://deadamericanradio.wordpress.com/2010/08/18/sub-monsters-ep-2010/

Lastfm
http://www.lastfm.com.br/music/Sub+Monsters
Comunidade
http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=95895972

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas