Voto Nulo

 

Não quero começar a falar do voto nulo fazendo uma abordagem histórica sobre os sistemas sociais existentes mais marcantes ou importantes que o homem se deu conta, nem tão pouco, os que predominam nos dias de hoje, pois ficaria muito extenso o texto e acabaria que por não atingir o objetivo que é o de mostrar a importância e função do voto nulo.
Pra início de conversa, não podemos afirmar que exista o voto nulo formalmente, uma vez que é inexistente essa opção na hora de votar, ou melhor, na urna. O voto nulo que muitos disseminam e estimulam (que é ótimo!) por diversos meios de comunicação (alternativos na maioria das vezes), nada mais é do que você executar e efetivar seu voto de forma errada. Para ser mais claro quero dizer que, para anular o voto, o eleitor tem que digitar um número inválido (00 – zero, zero, por exemplo) e, depois que a urna eletrônica informar “Número incorreto, corrija seu voto”, ele deve confirmar o número incorreto, isto é, o voto nulo.
É interessante saber como é validado o voto nulo. Não existe uma tecla na urna especifica para esse fim. Por que será que não existe uma tecla que indique voto nulo e somente voto branco? Se observarmos as pessoas que votam em branco, geralmente elas usam essa opção quando estão em dúvida quanto ao candidato (féladaputz: candidato em latim arcaico das cavernas) que irão votar ou porque tanto faz como tanto fez a escolha de qualquer um. Já ao anularmos nosso voto, constatamos na esmagadora maioria das pessoas o sentimento de insatisfação, repulsa e aversão não só com os políticos concorrentes, mas também com o sistema vigente, sendo assim, diagnosticamos a diferença básica entre voto nulo e voto branco, que é a simbologia de cada um, ou melhor, o poder simbólico deles.
Alguém sabe a diferença entre voto branco e voto nulo? Na prática, voto branco é a mesma coisa que voto nulo nos dias de hoje. Essa diferenciação existia antigamente quando então os votos em branco eram computados para obter o quociente eleitoral. Vocês se lembram daquela velha história que o voto em branco era acrescentado para quem estava na frente na contagem dos votos, que até hoje muitos acreditam? Pois bem, desde a lei 9.504/97, que vigorou a partir das eleições de 1998, que o voto branco não é considerado para o cálculo do quociente eleitoral. Hoje tanto os votos em branco, como os votos nulos, são descartados de qualquer contagem. Porém, opto por usar o termo e a efetivação do voto nulo, porque seu poder simbólico reflete melhor a idéia de protesto, revolta, descontentamento com os candidatos concorrentes e também porque não acredito neles (vocês sabem bem de quem estou falando!), quando dizem ser segura a urna eletrônica, por ela emitir uma ficha com os dados da votação de cada seção, que em seguida é comparada com o disquete da mesma urna para saber se os dados batem, assim confirmam se houve fraude ou não. Parece convincente, e é verdadeira essa informação, mas quem controla tudo isso? Os mesmos que querem que as pessoas votem, para manter a engrenagem em “ordem”!
Se você observar as propagandas políticas do governo federal em época de eleição, perceberá o bombardeio de informações em prol do voto válido, já que para eles se manterem “vivos” e com seu “comércio” eternamente ativo é necessário que haja sempre um deles no poder, por este motivo são inúmeros os incentivos para que você vote em alguém sempre, independente de que partido seja e por mais que você não encontre um candidato que preencha os seus requisitos para “representá-lo”. Os conselhos mais comuns são: pesquise, sonde e procure saber a vida e história do candidato ao qual vai votar, para que você não escolha o sujeito errado, pura balela! A quantos anos as pessoas estão esperando um messias na política? A quanto tempo este sistema político vigente vigora e não muda nada? A muito tempo né?! Meus avôs votaram, votaram e votaram e os avôs deles também, e o que aconteceu? Morreram todos e nada do que acreditavam e esperavam aconteceu e não vai acontecer, pois os dominantes não pretendem mudar ou melhorara nada, apenas desejam manter o poder em suas mãos de ferro e fazer do povo seus escravos, súditos e bajuladores. Creio que se depender dos donos do poder nunca iremos presenciar uma campanha pelo voto nulo na TV, com isso cabe a nós mesmos nos mobilizar e fazer essa corrente de esperança ser construída. O velho discurso de que não votar é abrir mão da democracia não engana mais ninguém, já que todos sentem na pele que a tal democracia nunca existiu de verdade, apenas nos foi dado fragmentos dela para nos contentarmos com o que está estabelecido. Isso me fez lembrar a letra da música da banda Farpa XXI (da qual fundei com amigos e passei cinco anos, até seu fim em 18/07/2009) que se chama espere sentado o seu messias político, nela é abordado esse tema, confiram:
Você já sondou qual é a bola da vez?
Ou vai pesquisar em quem pretende votar?
Vou adiantando, já conheço essa selva,
Farejo o desejo de todas essas feras.

Palavras bonitas sempre te seduziu,
No entanto se revelam com um caráter vil.
Não deleguei minha vida a essas cobras,
Tomaram de assalto de forma impiedosa.

Eh!!! Agem de forma natural!
Eeh!!! Suas mentes cultivam o mau!
Eh!!! Parecem sentirem prazer!
Eeh!!! A próxima vítima é você!

Conversa fiada e a procura do alvo,
Tentando iludir o primeiro que surgir.
É o sabotador, maldito rei da trapaça,
Responsável pelo ódio e toda essa farsa

Venham pra luta, ouça meus conselhos,
Porque os monstros não se fartam sem o nosso dinheiro.
Não siga a diante com essa espera amarga, desista!
Busque o novo com a união das massas.

Eh!!! Agem de forma natural!
Eeh!!! Suas mentes cultivam o mau!
Eh!!! Parecem sentirem prazer!
Eeh!!! A próxima vítima é você!
Votos brancos e votos nulos não servem para anular eleições. Em todos os casos de eleições majoritárias elegem-se os candidatos que obtiverem a maioria dos votos válidos, não sendo computados os votos brancos e os nulos. Digamos que 100 eleitores votaram na escolha de um prefeito, se houver apenas dois candidatos concorrendo e se a eleição resultar em candidato A com 20 votos e candidato B com 10 votos, no entanto os votos brancos e nulos somam 70 votos, mesmo com esse quadro da maioria dos votos serem de nulos e brancos o candidato A seria proclamado eleito de acordo com as leis vigentes de nosso país. Chega a ser ridículo nossas leis, além de sermos obrigados a votar, não temos o direito de anular uma eleição através do voto. Que democracia é essa?
O fato de nenhum órgão do governo não explicar como se anula o voto em períodos eleitorais, revela a intenção real dos que dominam. Se um eleitor experimenta votar em branco, o terminal eletrônico avisa “Você está votando em branco” e então o eleitor pode confirmar, ou corrigir, mas se o eleitor coloca um número inexistente num terminal, ele acusa “Número incorreto, corrija seu voto”. Assim, os votos nulos são desencorajados. Somos intimidados a votar nulo de todas as formas, pois a urna indica erro ao inserirmos um número inválido quando queremos anular nosso voto, não temos o mínimo de explicação governamental sobre o voto nulo, subestimam nosso intelecto ao nos acusar de omissão quando não queremos votar em ninguém. A questão é que eles querem e impõem veladamente que votemos em algum candidato mesmo que não tenhamos nenhum motivo para isso.
Vocês conseguiram perceber o poder do voto nulo? Não? Então, repense o porquê de não sermos instigados a votar nulo. O poder simbólico assusta os governantes, mesmo que votar nulo não surta efeito para anulação de uma eleição. Imagine a situação de 80% dos brasileiros votando nulo para presidente? Que choque seria para os manda-chuvas do poder! Ficariam atônitos como que uma criança pequena que quebra o vaso preferido da mãe. Colocaríamos um peso e responsabilidade tão grande em suas mentes que pensariam dez vezes antes de cometerem alguma infração, seria o primeiro passo para horizontalizarmos o poder, já que quando o povo diz não a todos que tentaram alcançar a coroa, conseguimos uma posição estratégica e forte de combate, uma vez que o povo unido e indignado faz tremer as bases de qualquer dominador.
As próximas eleições estão aí e só nós podemos fazer alguma coisa por nossas existências. Não delegue sua vida às mãos de ninguém e não deixe que eles tomem de conta de sua liberdade. Existem pessoas que boicotam as urnas e essa seria a melhor opção, porém o voto nulo revela a todos o tamanho da insatisfação popular. Cada um tem sua escolha, qual será a sua?

Coisado por: Márcio “Pigmeu”

 

 

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas