Wolfbrigade

 

1- Uma das bandas mais antigas de Crust em atividade, e nome inquestionavel em referência no estilo, como tem sido o ano de 2011 para vocês?

Tem sido calmo quando se trata de tocar ao vivo, queria se concentrar em escrever músicas novas, e Erik se tornou pai em maio, então ele tinha outras prioridades. Mas temos sido muito ativos no underground.

2- A banda esteve um tempo parada e depois voltou, porém parecem bandas distintas com o mesmo nome, a nova formação eu nova cara a banda ?

Sim, nós começamos em 1995, mudou o cantor em 1998, o baterista em 2002, e paramos por um tempo em 2004, porque o nosso cantor teve problemas com sua voz e nosso baixista Marcus não tem tempo e energia. Então, 4 de 5 membros do Wolfbrigade fomos começar uma nova banda com um baixista novo, Johan, que chamamos de Overdose hoje. Tocamos hardcore no estilo mais americano, mas perdemos o Wolfbrigade assim no final de 2005 a linha de hoje até Overdose se tornou Wolfbrigade novamente.Para ser honesto nossa banda nunca parou, temos vindo a fazer coisas diferentes, mas o núcleo tem sido o mesmo.

3- Wolfbrigade ainda tem um pouco do wolfpack? Qual a maior diferença entre as duas banda?

Sim, Jocke e Erik começou Wolfpack em 1995. E antes eles tinham uma banda de death metal chamado Obscure Infinity, que começou em 1990. Eles ainda estão entre nós. E Micke juntou Wolfpack antes do “Hell All day” álbum em 1998. Wolfpack se tornou Wolfbrigade em 2000-2001.
A maior diferença entre Wolfpack e Wolfbrigade é que no Wolfbrigade hoje há mais foco do que era quando começou a Wolfpack. Para o melhor.

4- Mesmo sendo uma historia antiga, conte-nos o motivo da mudança do nome da banda?

Quando isso aconteceu houve um alarde grande na mídia sueca sobre o Right brotherhood , uma gangue chamada Wolfpack. Para evitar a associação nós mudamos o nome. E devido à mudança de nome que feelt no momento em que poderia ser uma boa idéia para mudar também a música e a letra um pouco, tornou-se mais melódico e punk, e as letras tornaram-se mais políticas. Eu acho que nós tentamos, mas é difícil mudar e hoje estamos mais ou menos de volta para o som do Wolfpack, mesmo que ainda tentamos evoluir. Mesmo que não possam, pessoalmente, como todos os álbuns que fizemos, eu acho que eles nos ajudaram a chegar onde estamos hoje.

5- Quais os projetos para o segundo semestre do ano ?

É um segredo. Mas estaremos de volta tocando ao vivo no próximo ano.

6 – influências literárias?

Quando se trata de escrever letras, tentamos ser minimalistas, serve a música melhor. Mas eu gosto de escrever sobre temas sombrios e adicionar um toque de esperança neles. Eu amo Cormac Mcarthy, que me influenciou muito ao longo dos anos, e lyricwritters outros que têm influenciado nós é Jerry A partir de Poison Idea.

7 – influências musicais?

Muitas. Anti Cimex obviosuly, Discharge, Puke, Asta Kask, Entombed, Grave, Napalm Death, Motorhead, Poison Idea, His hero is gone, Circle Jerks, DRI, Venom….

8 – Como é a cena sueca para você?

Isso depende. Tem sido dividida durante o ano, mesmo se eu tiver a sensação de que estamos inclinando-se para início dos anos 90 de novo quando o punk e o metal tinha mais incomuns. O que é bom. Nós não temos espaços suficiente, mas as bandas são realmente boas.

9- Vocês ja pensaram em se programar para tocar na america no futuro?

Nós adoraríamos. Se alguém pode reservar-nos uma boa viagem e pagar as nossas finanças que viriamos a ter.

10 – Quick play:

4 bandas nacionais: eu escolho as bandas que estão ativas, não necessariamente do punk: The Show Baboon, Anna Ternheim, Infernöh, Graveyard
4 bandas internacionais: Poison Idea (always!), High on fire, Crispy Nuts, Kromosom
Cd 1: Eu odeio CDs.
1 livro: The Road
Suécia: Estocolmo
Crust / D-beat: Amebix, D-beat: Meanwhile
punk: spikes and studs!
Wolfbrigade: meus amigos.
Uma frase: Não confie em ninguém.

11 – Contatos da banda para shows / Merchan?

[email protected], facebook … Myspace é uma merda hoje em dia.
Merch é mais fácil entrar em contato com Swedish Merch” ou “Berzerker wear”.

12 – Mensagem da banda?

Obrigado pela entrevista. Espero que nos encontremos um dia! Mantenha os olhos e ouvidos abertos para a notícia!
Cheers / / WolfBrigade

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas