Entre Kirchner, Bashar AL Assad e IRA

 

Assunto para essa coluna não irão faltar, pois estamos vivenciando o momento único da história humana, claro que a esmagadora maioria não tem como ter essa percepção, até notam que o mundo anda meio “revolto”, isso em âmbito internacional, tanto na parte política propriamente dita, como nas questões gerais do Mundo, política internacional e por ai vai.

Nessa semana três assuntos me chamaram atenção, talvez por serem relevantes no período atual, talvez por remeter-me a lembranças da minha adolescência, mas o que realmente interessa são os fatos, os motivos pelo qual, é um debate muito mais profundo e requeria mais tempo e espaço desse ilustre espaço, algo que não temos e acho desnecessário, por essa coluna ser uma ilha de assuntos políticos em uma mídia musical.

Começo falando da Argentina, e olha que nem vou falar da final da Libertadores, estou falando da crise política Argentina, falo da lua de mel que se encerrou no ano passado, lua de mel entre a presidente argentina Cristina Kirchner e Hugo Moyano, líder do poderoso sindicato que reúne 200 mil caminhoneiros e da principal federação de trabalhadores do País (CGT), esses capazes de parar o País, isso graças ao poder que eles tem de paralisar o Argentina, isso foi visto com as movimentações que eles vem fazendo, juntamente com o apóio de outros sindicatos. A crise no país criou um problema o Imposto de Renda deixou de ser isento, o que não é compactuado com Cristina Kirchner. Mas para desalento dela, outros protestos incluindo professores, funcionários públicos, pilotos de avião e trabalhadores portuários, devem seguir pelo país essa semana ainda.

Porém o que mais me chamou atenção esses dias foi o improvável aperto de mãos de Elizabeth II e Martin McGuinness, não que aperto de mão signifiquem alguma coisa no mundo dos Sapiens, cansamos de ver casos de aperto de mãos significativos, mas que não significaram nada na real, nesse caso estamos falando simplesmente da rainha do Reino Unido e o então ex- comandante do IRA (Exército Republicano Irlandês), o mais intrigante disso tudo é que McGuinness (que hoje tem 62 anos) era líder do IRA, quando o grupo revolucionário (e não terrorista) assassinou um primo de Elizabeth II, Lorde Mountbatten, no final dos anos 70. Fato esse de certa forma abstrato, pois selava a consolidação de paz entre as partes, depois de anos, décadas de violência mútuas, e mesmo selando a tal paz, curiosamente a polícia fechou todas as ruas em volta do teatro que aconteceu o encontro, e os moradores foram instruídos a não deixarem suas casas, no mínimo estranho né!?… Ainda mais que desde que o IRA abandonou formalmente sua luta (republicana) , vem interagindo harmoniosamente com a grã Bretanha.

Enquanto isso do outro lado, mais pro Oriente as forças Sírias atiram , matame prendem a população que tenta desesperadamente sair do país refugiando-se em países vizinhos, mesmo eles tendo esse direito de abandonar o país. O que vem acontecendo na fronteira é lamentável, tem-se relatos de franco atiradores que abrem fogo sem avisar , e a uma distância de apenas 200 metros , quando a população tenta abandonar o país, soldados chegam a pé ou de caminhão perto da fronteira e abrem fogo contra os refugiados, para se ter uma idéia do grau de sandice que ocorre na fronteira, dos 170 civis detidos nas fronteiras essa semana , 100 eram mulheres e crianças, que não estão registrados como prisioneiros , mas como desaparecidos. A revolta no país começou em 2011, até aqui mais de 26 mil refugiados sírios foram registrados na Jordânia, país esse que faz fronteira com a Síria por 375 quilômetros , fronteira essa que em sua maior parte tendo desertos de ambos os lados, o que restringe a tentativa de atravessá-la, se concentram em um pequeno trecho de 100 quilômetros , um funil perfeito para o massacre do sanguinário Bashar AL Assad.

Como se não bastasse, dia 22 de Junho a Síria derrubou um caça turco, o que causou um mal estar enorme entre os dois países, chegando a arrancar do primeiro ministro turco, Erdogan, a afirmação como essas : “Qualquer elemento militar procedente da Síria que represente um risco e um perigo de segurança para a fronteira turca será considerado um alvo” ,” Este último acontecimento mostra que o regime de Assad se converteu em uma ameaça aberta e próxima tanto para a segurança da Turquia quanto para o seu próprio povo”, e conclui em discurso perante os deputados de seu partido Justiça e Desenvolvimento (AKP, islâmica), com a frase :” A Turquia responderá em tempo oportuno e com determinação”.

Então amigos do underground , o mundo balança e balança muito , antes de ele cair estarei aqui sempre falando e questionando assuntos do mundo , relevantes para todos , mesmo que os mais alienados não achem isso.

 

Panda Reis – [email protected]

Comentários

comentários

Matérias relacionadas