Revolta dos coletivos (Busão) – Natal/RN

A Prefeitura do Natal/RN anunciou na data de 27/08/2012, o aumento do preço da passagem do transporte coletivo urbano. A tarifa foi reajustada abusivamente de R$ 2,20 para R$ 2,40 e passou a vigorar no dia seguinte ao anúncio. A justificativa da Prefeitura foi “risco de queda na qualidade do serviço causado pelo desequilíbrio econômico-financeiro do sistema”. Como assim?

Natal é uma das menores capitais do Brasil, sendo que as rotas feitas pela maioria das linhas de ônibus são pequenas e proporcionalmente a cidade já pagava um valor altissímo por um serviço precário. Sem falar que os empresários das empressas de ônibos da cidade lucram brutalmente em cima disso. A desculpa esfarrapada não convenceu ninguém, principalmente a juventude da cidade e os estudantes, que se organizaram apartidariamente e foram ás ruas em protestos seguidos com o objetivo de pressionar a revogação do aumento. Depois de alguns atos com repressão forte da Policia militar (PM) e manipulação da mídia local para tentar nos calar, tivemos êxito, forçando a câmara municipal a votar a revogação no dia seis (6) de Setembro.

Os vereadores aprovaram por unanimidade o Decreto Legislativo nº 037/2012, que revogava o aumento das tarifas de transporte. Mas se não fosse a pressão popular nenhum vereador teria se manifestado a respeito, porque nenhum deles tinha interesse nisso antes dos atos. Até  tentaram usar posteriormente a vitória popular como fator para a campanha deles, mas na era da internet não conseguiram. Até então tudo bem, a juventude da cidade foi as ruas lutar, mostrou atitude, consciência, deu exemplo e uma bela vitória apareceu.

No entanto o SETURN, que é o sindicato dos empresários de transporte da cidade, deu um golpe muito baixo e covarde na população. Em retaliação a revogação conquistada pelos manifestantes, decidiram cancelar o sistema de integração, que é um benefício assegurado por decreto municipal onde o passageiro poderia pegar dois ônibus no perído de 1h entre ambos, pagando apenas uma passagem. Alé de ter sido um ato ilegal do SETURN que descumpriu o decreto, motivou ainda mais os jovens a se reorganizarem nas redes sociais para fazer uma nova mobilização.

No dia 18 de Setembro os jovens foram as ruas para mostrar que não aguentavam mais tanto abuso das “autoridades” e do poder público. Vários focos de manisfetantes sem estenderam na Avenida Salgado Filho, Bernardo Vieira, chegando até no início da Engenheiro Roberto Freire. Em todos os atos se tornou comum os “Roletaços”, ações de subversão legitimadas pelo contexto, em que os estudantes pulavam a catraca ou subiam pela porta traseira do ônibus, negando assim a tarifa abusiva. Até mesmo os não manifestantes (população em geral) eram convidados pelo movimento a entrar sem pagar, gerando assim simpatia e apoio a nossa luta.

Nos confrontos com a policia militar (PM), muitos se feriram e foram presos, desde professores universitários/estaduais até estudantes. O saldo dessa guerra urbana foram dois ônibus queimados pelos manifestantes, que legitimaram sua revolta no símbolo maior dessa luta, que é o ônibus. No dia seguinte, a pronvinciana, conservadora, hipocrita e anacrônica cidade do Natal/RN teve a bela supresa. O SETURN anuncia a volta do benefício da integração na cidade. Moral da história, se você quer realmente mudanças, vote nulo e faça você mesmo!

Por: Márcio “Pigmeu”

 

Comentários

comentários

Matérias relacionadas