Kaosmos – Itália

 

1- Representanto a nova safra do metal italiano, o Kaosmos chegou a ser comparado com Testament. Como vocês analizam esta fase da banda?

Isso é uma honra ser comparado ao Testament, eu acho que nós somos diferentes em muitos aspectos e temos que trabalhar duro para ser como eles!
Estamos em um ponto-chave da nossa vida, nossos sonhos estão se tornando realidade, esperando e esperando que as coisas se tornam concretas. Estamos escrevendo novas músicas para completar o nosso LP, e uma vez que os sonhos são livres … por que não, tocar em um grande palco!

2- Conte-nos como tudo começou?

Kaosmos projeto nasceu em 2005. Andrea Rasi, após a dissolução de sua antiga banda, decidiu procurar novas pessoas.
Ele estava procurando apenas por caras simples que amam a música, para se divertir juntos escrevendo, mesmo não publicado.
Então, começou uma longa pesquisa. Stefano Calabro, um baixista muito legal, seguiu-o a partir da banda.Then velho ele encontrou Paolo Guarda (baterista) e eles começaram a escrever as primeiras canções à espera de novos membros. Andrea perguntou a seu amigo Matteo Sacchi para entrar na banda e ele aceitou.
Ele é um guitarrista/cantor talentoso , compor começou assim.
Após o primeiro show ao vivo que já percebeu que para Matteo era difícil tocar guitarra e cantar dando ao público o que eles precisam, então decidimos procurar um cantor.
Gabriele Vianello se juntou a nós e foi a escolha certa! Ele aprendeu rápido, e em seu passado, ele foi um animador, então ele sabia o que fazer com as pessoas. Ele é um cantor muito legal, ele nos deu um som diferente que nós gostamos.
Esse é o começo.

3- As letras aparentam algum tipo de mágoa/ódio com Deus, é exatamente isso que vocês querem demonstrar?

Absolutamente não! Nossas letras representam as nossas experiências da vida real, há muito introspectivo e sem conexão com a religião ou algo parecido, só gostaria de colocar nossas histórias em nossas músicas!

4- Influências?

Todo mundo tem suas influências, por exemplo:
Andrea (Guitarra Ritmo): Metallica, Testament, Overkill, Kreator
Paolo M. (guitarra): Joe Satriani, Steve Vai, Dimmu Borgir, Alter Bridge
Paolo G. (Drum): Sepultura, Pantera, Polícia
Gabriele (Singer): Queen, Metallica, Alter Bridge, Lynyrd Skynyrd
Conan (baixo): Metallica, Queen, Van Halen, Iron Maiden
Como você pode ver, todo mundo tem influências diferentes, a nossa música é a conseqüência natural:)

5- A Itália esa repleta de bandas boas, mas não vemos muitas “explodirem” para o cenário mundial. Qual o fator crucial para que isto aconteça?

Talvez seja porque a nossa cultura musical de metal, não é ouvido para a maioria dos povos italianos e underground não é suportado tanto, mesmo se temos um monte de bandas talentosas de todos os gêneros.

6- Jogo rápido:

4 bandas nacionais: Lunacy Dark, Bulldozer, Rhapsody e, claro, Kaosmos!
4 bandas internacionais: Overkill, Death, Kreator, Alter Bridge
1 livro: Allen Carr Easyway-a parar de fumar (então usar páginas para rolar até cigs livro está acabado)
1 cd:  Kaosmos PE 2012
1 filme: Analconda
Kaosmos: 5 caras malucos que gostam de tocar Heavy Metal e beber cerveja
Metal na Itália: Awesome mas não suportado
Mussolini: Nós não somos políticos, nós somos músicos
Uma frase: Culpado!

7- O membros da banda tem algum projeto paralelo?

Não, cada um de nós é 100% trabalhando neste projeto.

8- De que maneira a crise europeia tem interferido no underground italiano?

De forma significativa, as pessoas aqui tem que administrar o dinheiro, de modo que os clubes não estão cheias como anos atrás, nós esperamos que alguma coisa mude em breve, e não só para a música.

9- O inicio da banda teve diversas mudanças no line-up, voce acha que isso atrapalhou o crescimento da banda?

Vamos dizer que Andrea, Paolo e Gabriele amo essa banda e nada pode nos parar para terminar o que começamos. É claro, nós eramos lentos, mas talvez fosse apenas o destino. Tenho certeza de que finalmente encontrei a melhor escalação e estamos feliz por isso.

10- O que voce dizer da cena de milão atualmente?

Temos uma cena ativa, muita banda de qualquer gênero para preencher esta cidade, é claro que você pode encontrar banda incrível e ruim também, como everywere 😉 Mas você pode encontrar shows ao vivo a cada semana.

11- Quais os planos para o ano que vem?

Nosso plano está em primeiro para terminar o nosso LP, do que gostamos de tocar everywere que as pessoas saibam a nossa música, a nossa energia e vamos ter todo o divertimento!

12- Contatos:

www.facebook.com/kaosmosofficialfanpage
https://twitter.com/KaosmosMetal
https://www.youtube.com/kaosmosthrashmetal
https://www.myspace.com/kaosmos

13- Mensagem:

Não há causa projeto de pós esperamos continuar com Kaosmos enquanto podemos, nós agradecemos a todos os fãs que apoio e nos apoiaram, Kenny DJ Vulgar da Metal Messiah Radio, para nos ajudar a divulgar a nossa música no mundo, a cada usuário para o trabalho lá agradável, todos os clubes de graça, cervejas, Vlad Nowajczyk para a sua promoção e, claro, você! Para esta entrevista agradável!

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas