Huldre – Dinamarca

 

1- é um prazer entrevista-los, para comerçamos você pode contar como se formou a banda?

Bjarne, Nanna e eu começamos a formar uma espécie de banda de folk metal em 2006, mas tinha alguns problemas recebendo o aperto direito sobre todo o conceito. Em 2009 Huldre foi mais ou menos nascido quando Lasse e Jacob se juntaram à banda, mas quando Troels se juntou à banda em 2010, a linha foi completa – e Huldre ficou perfeito.

2- A banda foi formada na Dinamarca, me diga como esta a cena de Copenhagen atualmente?

A cena de Copenhague é muito pequena! Especialmente a cena rock / metal tem sido muito segredo por um longo tempo, mas agora parece estar a crescer e esperamos que ela irão florescer e se espalhar por todo o país .

3- As letras se baseam no folk dinamarquês, e no nórdico medieval. A cultura nórdica também faz parte da crença de todos vocês?

Nenhum de nós é asatru (acreditar nos antigos deuses nórdicos como Thor, Loki e Odin), mas o património cultural desempenha um papel muito grande na nossa música. Contudo – As letras são mais sobre a velha superstição (trolls, goblins, elfos etc) do que sobre deuses.

4- Vocês dizem que os 6 membros tem variadas influências, inclusive o reggae. De que forma a influência do reggae é implementada no folk metal?

Em “Spillemand” há uma sentença (02:12 – 02:27) onde a guitarra desempenha off-beat – é sobre isso

5- Jogo rápido:

4 bandas nacionais:  Svartsot, Vanir, Heidra, Sylvatica
4 bandas internacionais: Kaizers Orchestra, Finntroll, Kent
1 livro: Shadow of the Wind
1 cd:  Gasolin 3
Dinamarca:
Folk metal:  Finntroll: Ur Jordens Djup
Europa: Iron Maiden: The Number of the Beast
Familia:  Eu não sei o que você quer dizer com isso
Underground: Eldjudnir: Ginnungagab
1 frase: Hud Mere

6- É certo dizer que o metal é apenas um completo da musica de vocês?

Bem, Vaageblus é metal definitivamente mais do que as outras músicas, mas eu acho que eles são todos de metal de diferentes maneiras

7- Como tem sido o feedback do cd lançado?

O feedback tem sido muito positivo de todos os lados, e estamos muito honrados que as pessoas gostam da nossa música tanto!

8- Conte para nós como foi a produção do cd:

Fomos para a Alemanha em dezembro de 2011 para visitar Lasse Lammert do Studio LSD em Lübeck. Aqui registramos todas as faixas – e bebia muito Glühwein (Vinho quente com ervas) no mercado tradicional de Natal. Após a gravações foram finalizadas Lasse Lammert nos enviou uma mix1. Nós tivemos um monte de  comentários à mistura, assim Lasse trabalhou um pouco mais e envio-nos mix2. Nós aindativemos alguns comentários até Lasse trabalhar ainda mais difícil e envie-nos Mix3.
Tivemos quase não há comentários para que, então, após algumas discussões entre a  Dinamarca e a Alemanha finalmente recebeu o mix final em maio. Nesse meio tempo tivemos foi correndo nu em uma floresta com Kristina Tandrup de Njordfoto ( www.njordfoto.dk) para obter fotos legais para o livreto – que era bastante frio como que era no início da primavera, e não mais do que app. 5 graus quentes.

9- Quais equipaentos foram usados na gravação?

Uhm, eu não sei – um monte de microfones e coisas 😉 eu toquei no meu fantástico violino de 1600, algo e o resto estavam usando seus próprios instrumentos como bem + alguns dos instrumentos disponíveis no estúdio. Você pode conferir  o equipamento em  http://www.lsd-tonstudio.de/

10 – Ouvi dizer que as pessoas estão se esquecendo da verdadeira cultura dinamarquesa, isso é verdade?

Não, eu não penso assim – mas a cultura está mudando, como vem fazendo desde os primórdios da humanidade, de modo que a atual cultura dinamarquesa é diferente a cultura que existia há 100 anos. Thigns bons são esquecidos, mas ruim as coisas tão bem – e novas coisas boas e ruins são adicionadas. Algumas pessoas podem achar que isso é “esquecer a cultura”, mas na realidade é apenas como a vida – e cultura – obras.

11- “Beirblakken” é cantada em norueguês também, de onde surge esta idéia de mesclar com outro idioma escandinavo as musicas?

Beirblakken é uma canção tradicional norueguesa para que thougt seria ser natural para cantar em norueguês. Dinamarquês, norueguês e sueco são línguas muito  semelhantes, mas a pronuncia é bastante diferente umas das outras – Especialmente sons diferentes dinamarqueses do norueguês e sueco.

12- Quais são as principais fontes de inpiração para as letras?

A principal inspiração é folclore escandinavo e da natureza, inspirada por a tradição folkmusic velha de contos sangrentos da reunião entre os seres humanos e as criaturas da natureza. Trolls, elfos, werebeasts, changelings e criaturas semelhantes permanecem como símbolos de humores e emoções humanas como a luxúria e raiva etc Nosso universo lírico não, ao contrário de muitos outras bandas de folk metal , giram em torno de mitologia nórdica, mas traz uma dica do pagão velho e maneiras em termos de como as pessoas tratadas com as criaturas acima mencionadas e asconfronto religioso entre a cruz e o martelo.

13- Objetivos para 2013?

Esperamos chegar até os festivais europeus e já agora temos um show na Alemanha – Barther de Metal Open Air – e esperemos que mais vontade
seguir. Nós também trabalhamos duro para compor novas músicas para o nosso CD 2, que não tem nome ou data de lançamento ainda, mas se ele poderia estar pronto em algum momento durante o próximo  ano seria ótimo!

14- A banda tem algum produtor ou empresário, como vocês negociam os shows e todas as  questões envolvidas?

nós não lidamos com todos os detalhes, por nós mesmos, até agora, inclusive reserva,encomendar camisetas, dirigindo o ônibus da banda, levando arte para os shows e beber cervejas .

15- Contatos e Merchan?

Reservas através do nosso e-mail (ou [email protected] [email protected]), CD disponível através de nossa loja virtual na página inicial (www.huldre.dk) T-shirts e outras coisas até agora apenas disponível em concertos.

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas