Bring The Noise – Preview III – Cocal Do Sul

bring

Bring

O local é muito interessante, um sitio distante o suficiente da cidade para não incomodar com barulho e consequentemente a vizinhança não atrapalhar, apenas deixou a desejar na iluminação, que estava muito ruim.
Em suma um evento solidário que arrecadou mais de 100 kg de alimentos, muito bem estruturado (Para eventos de porte pequeno a médio), que nem a leve chuva impediu do publico comparecer. Um evento que e feito por quem tem a cena no sangue, que pode cai e nunca deixará de levantar, um evento feito não só por um, mas por vários que somaram pra fazer acontecer.

As bandas …
Encourage
Começou com uma hora de atraso, e aproximadamente 100 pessoas que não estavam muito animadas. A banda se mostrou bem sintonizada, porem sem muita presença de palco, oque também era muito dificultado pelo tamanho do mesmo, o que isenta a banda em parte. A relação publico / banda começou a acontecer somente no fim do show, onde vocalista e publico estavam mais próximos. Sem medo da escuridão foi a saideira da banda, onde o pessoal já estava mais ligado no som da banda.

Still Here

Rodrigo começou com a voz tímida, quase não se podia ouvir, e acredito que se deve ao fato do mesmo ter falado o dia todo enquanto produzia o evento. Quando a garganta esquentou não decepcionou, assim como no Criciúma rock, Still Here fez um ótimo show que teve uma participação maior do publico. A musica que mais teve empolgação de quem estava la embaixo veio do imicio de tudo, “convicção”, a primeira canção feita pela banda. O penúltimo do Still Here na noite foi dedicada ao bruno do explicita parrot. (Não me lembro do nome da música).

Explicita Revolta
Pra não fugir da rotina Explicita Revolta e seus problemas nas apresentações, na ultima vez foi a policia , dessa vez a corda arrebentou na primeira musica.
Bruno se mostrou mais interativo com o publico, algo que eu não tinha visto em shows anteriores. Pecou no excesso de covers, mas provou eficiência nas autorais, letras estruturadas, politizadas e conscientes.Fudido!

Selva
Anunciado pela banda, provavelmente este foi o penúltimo show. Seria este o anuncio do fim? Ou a banda seguira vida com novo integrante? Com sonoridade agressiva e melódica ao mesmo tempo, vocais rasgados o grupo fez um show morno, pelo anuncio no inicio da apresentação, já não se via tanta garra, resultado, não empolgou muita gente.

F.A.R.P.A

Curto, grosso, ignorante e agressivo. Pura violência sonora, esse e o F.A.R.P.A, que a muito tempo é uma das grandes forças do hardcore gaúcho, fizeram mais uma boa apresentação, estão sempre ligados no 220 V, e não tem hora ruim com eles. Xamusca como sempre não precisa mais do que meio metro quadrado pra dar um show de presença de palco, o cara tem talento.

Deixo aqui meus parabéns pela produção do Rodrigo, que pelo pouco que eu conheço é um cara batalhador pela cena e que da a cara a tapa, coisa que poucos fazem.

 

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas