Caminhos de dor – Cervical HC

cervical

Ja tem tempo que saiu, mas nunca é tarde pra se falar do que é bom.

Qual o caminho da dor? Tantas pessoas ao longo do tempo dizem ter trilhado este caminho e muitas delas não sabem como chegaram nele …

Cervical é hardcore carioca, mais precisamente de Macaé. O grupo já é uma referência nesta região que é muito bem servida de bandas, e tem se expandido cada vez mais na cena HC , num estado em que o (samba) rock esta muito bem servido.

“Caminhos de dor” é o nome do cd que este grupo lançou por volta de 2011, tem 10 faixas dais quais destaco “Remanejar a vergonha” e “Herança” que tem letras fortes, e  das quais  para mim tem as melhores passagens musicalmente falando.

São 10 (musicas) porradas diretas no nariz, pancadas que ficam na cabeça, o típico som que não se ouve apenas uma vez. São golpes certeiros legitimos politizados, expelindo revolta, violência, uma verdadeira agressão ao conformismo.

“Respeitar , construir, se orgulhar, difundir”  para mim é a principal mensagem transmitida no cd, que de forma geral fala exatamente o que falta na sociedade e mostra claramente quais são as intenções do Cervical.

Para conhecer mais sobre o Cervical:
https://www.facebook.com/cervical.macae

Cervical é:

Pascoal Mello: Vocal
Marlon Siqueira: Guitarra
Leo 5º elemento: guitarra
Julio Cruz: Baixo
Natanael Junior: Bateria

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas