Inferno metal fest preview – Review

 

iNFERNO mETAL

 

Marcado para as 21:00 horas, o evento iniciou em meio a um diluvio as 22:00, a casa não estava cheia, mas estava com bangers sedentos por boa música.

E  pra iniciar as atividades da noite chuvosa, Sinnerator, prata da casa, obra criciumense, sob forte influencia de Motorhead e os vocais de Lemy, Arthur liderou os microfones.

A partir da música “Cacino”, o publico que outrora estava sonolento  entrou no ritmo da baladinha da banda,  foi onde o som saiu mais limpo,  e mais ordenado, e o velho e bom rock n roll da banda teve reciprocidade dos presentes.

Conspiracy 666

Vinda de Lages – SC, foram a segunda banda da noite, e na bagagem trouxeram  toda obscuridade , violência e as chamas que o black metal old school pode oferecer. A intensidade foi tanta que na segunda canção o pedal da bateria estragou, e incomodou o baterista boa parte da noite.

Saiu melhor que o esperado, black metal muito bem exercido com uma presença de palco memorável.

 

Savannah e seus 20 anos de hard rock se preparavam no palco, o vocalista dava os últimos retoques mo espalho do banheiro masculino para subir no palco.

E ele foi um show a parte com uma puta presença de palco, que não deixa a desejar pra nenhum outro vocalista.

O grupo tocou e encantou e muito provavelmente fidelizou os que estava ali, mostrando e provando que o hard rock autoral segue vivo e de chamas acesas.

E então veio a Red Razor, thrash metal oitentista, old school sem descanso, sem meias palavras.

Quando eles subiram ao palco, não tinha quase ninguém na casa, última banda e a perspectiva de que ninguém fosse assisti-los, porém antes da primeira música terminar a casa ja estava cheia.

O publico agitou com maior intensidade, abriu rodas, pogueou e deu mosh pit, cantou e gritou

Red Razor deu aula de metal e ficou pra historia do evento.

 

Confira as fotos da noite:

 

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas