Otacílio Rock Festival 2015: Cobertura e resenha

 

2015

 

OBS: O banner do festival que se vê ao fundo das fotos, foi furtado/roubado/”levado por engano(?)”,   e até o momento não foi devolvido, se você ver ele, ou souber onde esta esta , informe a produção do festival.

 Pedimos a compreensão dos leitores,  duas de nossas fotografas e colunistas não puderam enviar suas resenhas, por motivos de saúde e outros particulares que não posso mencionar, as resenhas serão enviadas ainda e colocadas aqui.

 

A tensão pelos andamentos do festival eram tensas, protestos por todo o estado, bloqueios nas pistas, confrontos com a policia, e uma imensidão de headbangers enfrentando todos os obstáculos para chegarem até Otacílio Costa e curtirem música boa em um fim de semana ao lado dos amigos próximos, dos distantes, de conhecer gente nova, acampar e claro curtir boa música.

Para muitos que chegaram cedo na cidade, além dos bloqueios nas estradas que alguns enfrentaram, tiveram que aguardar o protesto na entrada da cidade por melhorias.

Mas em acordo com a policia militar o bloqueio foi aberto e todos puderam passar.

 

Otacílio Rock festival é um festival tradicional em Santa Catarina, que neste ano chegou a sua 9º edição, em crescente escala, e esperado o ano todo pelos fãns do metal.

Como é de praxe, Denilson um dos responsáveis pela organização  sempre fica boa parte do tempo recepcionando o público que esta chegando e isto é gratificante.

A produção é composta por Denilson, Nani (ariane Poluceno) e Elienai Souza e demais familiares que trabalham em suporte para o bom funcionamento do festival.

O sol indicava que pela primeira vez não haveria chuva em uma edição do festival, ninguém se contentava com as previsões do tempo, deveria ter algo errado, se é Otacílio Rock, te que ter chuva, e a noite de sábado contemplou com um pouco de agua.

Cobertura Cultura em peso - Otacilio rock 2015 (33) cópia

As bandas ….

 

Cobertura Cultura em peso - Otacilio rock 2015 (40) cópia

As 13:00 em ponto a banda Abominação de Lages estava no palco, pronta para apresentar e representar muito bem o grind core com bases fundamentadas nas raizes do crossover dos anos 80.

Expressando temas trabalhados no clamor popular, ideais voltados no cunho social, típico do estilo que sempre teve o olhar para as classes menos favorecidas.

Conforme apresentação inicial da produção do festival a banda é relativamente nova,  e estava um pouco acanhada no palco, e não se movimentou muito, mas vale destacar os movimentos carismáticos do vocalista que buscava uma interação com o público que logo veio como premiação pelas belas e sincronizadas execuções dos sons da banda, que diga-se de passagem foram muito bem feitos, e renderam algumas “mini-rodas”.

(Texto e fotos de Abominação por Cremo)

 

Cobertura Cultura em peso - Otacilio rock 2015 (67) cópia

Violente Curse mantendo o pontualismo iniciou sua apresentação as 14:00,  alias …  a banda reiniciou a mesma canção algumas vezes, o retorno não estava chegando ate o baterista e isso de certa forma atrapalhou o inicio da apresentação da banda.

Oriundos de São Bento do Sul, os catarinenses deram o cartão de visitas, thrash metal rude, seco, old school regando as chamas que incendeiam os headbangers, e novamente as rodas preencheram seu devido espaço a frente do palco.

(Texto e fotos de Violent Curse por Cremo)

 

Cobertura Cultura em peso - Otacilio rock 2015 (106) cópia

Ominafarious veio dar calma as águas do festival, voltando a destacar a pontualidade, os meninos de Indaial trouxeram folk metal e um pouco de rock n roll.

Executando melodias outrora cantadas em terras distantes nos tempos longínquos que as vezes  nem as mentes  mais sagazes podem alcançar.

Buscavam a magia, a alegria, a tristeza e a melancolia, a expressão dos sentimentos mais sinceros, as notas que transparecem a na alma a necessidade da reflexão.

A banda conquistou, mas não empolgou tanto, já que o folk não é tão popular e em um festival de musica extrema as vezes não é tão esperado,  porém por outro lado o que se pode ver, foi parte do público feliz e sorrindo a cada canção, o que demonstra que a banda agradou a maioria dos presentes.

(Texto e fotos de Omnifarious por Cremo)

 

 

 

Cobertura Cultura em peso - Otacilio rock 2015 (173) cópia

O primeiro Headliner da noite teve atrasos, e tirou a pontualidade da noite, teve pedido de desculpas feito pelo baterista Amilcar, mais do que  compreensível,  uma banda da grandeza  do Torture Squad iria repassar o som e reajustar os parafusos, não foi surpresa para ninguém.

E em clara intenção de redenção, os power trio paulista formado por Amilcar, Christofaro e Castor premiaram os bangers do Otacílio com uma apresentação polida violenta e arrasadora.

Quem é professor da aula, e eles demonstraram o que é death, thrash , o que é metal, com a humildade de sempre e super atenciosos com os fãns,  mostraram porque são aclamados e respeitados onde pisam, onde tocam e onde representam o metal nacional.

Fizeram uma apresentação baseada no novo álbum, “Esquadrão de tortura” gravado em 2014,que conta a história do golpe militar de 64,  tocando temas como “no espace fromm hell”,      “pátria livre”, “nothing to declare”,  “Fear to the world” e “Pull the trigger”,  além de tocar outras memoráveis obras da carreira, como podemos citar,  “Convulsion” do álbum de 99 “Asylum Of Shadows” e “Abduction Was the Case” do álbum de 2001 “The Unholy Spell”.  O festival já entrava na madrugada de sábado para domingo, e nenhum headbanger queria o fim deste show, que ficará para a história do festival.

(Texto e fotos de Ttorture Squad por Cremo)

 

 

Domingo

 

Cobertura Cultura em peso - Otacilio rock 2015 (274) cópia

Concorde, mais uma representante de Otacílio Costa, sonoramente alternativa, rotulada como post Hardcore.

A banda fez uma apresentação bastante tímida, faltou presença de palco, exagerou nos covers do repertório, mas demonstrou que tem pegada, talento e que tem o sangue do rock n roll correndo nas veias. No fim das contas cumpriram fizeram uma boa apresentação que servirá de experiência para uma carreira que desejamos ser longa.

(Texto e fotos de Concorde por Cremo)

 

Cobertura Cultura em peso - Otacilio rock 2015 (300) cópia

As 10:00 da manha  a carismática Eletromotriz estava pronta para tocar, para dividir o café da manha, e levar todynho pros bangers que ainda estavam se levantando.

Domingo de manha num festival, geralmente é ressaca moral, mas quando rola Eletromotriz, a ressaca tem valida expirada, e os bons rapazes de Garopaba tocaram a bota na madeira e fizeram um show estrondoso,  mostrando todo potencial e profissionalismo, independente se estavam 1000 pessoas, ou estavam as mais ou menos  150 ou 200 pessoas ali curtindo sua apresentação.

Demonstração profissionalismo, e mostraram que as energias estavam guardadas pro momento certo,  diga-se de passagem Misael Furtado que não ficava quieto um segundo só, difícil até de fotografar.  Quira e Eduardo demonstraram imensa sintonia e presença de palco, levando com mais intensidade o peso da Eletromotriz, que contagiou ate quem estava com sono, cansado e claro, de ressaca.

(Texto e fotos de Eletromotriz por Cremo)

 

Cobertura Cultura em peso - Otacilio rock 2015 (321) cópia

As 11:00 veio a Manfecto, de Curitibanos.

O power trio que conta com Luciano Magagnin ,Julia Goetten Wagner e Rubens Toscan, fez uma apresentação concisa, cadenciada, com bons vocais  e riffs na guitarra, uma cozinha impecável no baixo e uma bateria sem erros.

A  Manfecto deixou uma ótima impressão no festival, e fez os banguers poguearem a levada do thrash metal muito bem executado.

(Texto e fotos de Manfecto por Cremo)

 

FOTOS DO FESTIVAL:

Fotos por Cremo, Manuella Pelegrinello e  Maria Vaz.

 

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas