A QUEDA DO IMPÉRIO CAPITALISTA

Por Panda Reis – pandadrums@hotmail.com

 

Capitalismo

Muito se fala das ondas de crise que tomaram de assalto o mundo contemporâneo, não tem lugar no mundo em que essas ondas não tenham atingido, como um tsunami, ela inundou todos os países capitalistas do mundo, ou seja, todos os países ( conhecidos ) do mundo, até mesmo os poucos países que não se catalogam como tal, estamos em um mundo globalizado, e mesmo que determinados governantes não julgam seu país inserido nas realidades do sistema capitalista, eles o são, pois relacionam-se comercialmente ou politicamente com os demais países.

Porém não são novas as crises no sistema capitalista , na verdade desde 1929 elas acontecem de maneira mais contundente, mas foram sempre metodicamente maquiadas e manipuladas, seja através de jogadas de câmbio, medidas de controle do crédito, incentivos fiscais, planos econômicos, seja qual for à ação dos governos, não passa de medidas e atitudes que tendem a postergar crises e todas as falhas do sistema, algo como usar um band-aid para curar um ferimento feito por uma doze de repetição, mas o povo não nota, não percebem tais atitudes que tendem a proteger o Império e de tão ideológica, passa despercebido pela maioria.

Mas, por mais que se faça, por mais ajustes, medidas de austeridades, ajustes econômicos, perda de direitos e benefícios por parte dos trabalhadores,  por mais que novas potencias imperialistas ( nos padrões do século XXI) apareçam, dando um possível novo horizonte para do o Império Capitalista, não tem mais jeito, o sistema , o Império esta destinado ao fim, é a história da humanidade que prova e comprovará isso. Sempre foi assim, desde quando a nossa civilização se formou, como a conhecemos, antes mesmo dos Assírios, antes das grandes cidades muradas , todo império constituído, por mais tempo que ele persista, resista, domine, se expanda, ele esta fadado ao seu catastrófico fim, deixando para trás mais que apenas ruínas, mas deixando idéias, pensamentos, ideologias, conceitos , estruturas políticas e sociais, pré-conceitos e teorias que aparentemente desaparecem.

O capitalismo não é o sistema mais duradouro da nossa longa história econômica e política, mesmo ele tendo dominado o mundo todo e sofrer mutações para se adequar aos momentos históricos, outros antecederam-no, e influenciaram-no, uma mistura alucinante de sistemas tribais , feudais , monárquicos, mercantilistas, que com anos formou e moldou o capitalismo da maneira que ele é hoje. Porém o sistema nada mais é do que a repetição de todos os outros que o antecedeu, um sincronismo dialético sem precedentes na nossa história humana ( política e Impérios só existem entre nós Sapiens Sapiens ). De tão homogêneo, de tão fundido em si mesmo, que escraviza mais pessoas, pensamentos, não se pode ter pensamentos fora dessa prisma, qualquer pensamento fora do que esta estabelecido é subversivo, ofensivo, “terrorísticos” , ao ponto de ser praticamente impossível estar fora, mesmo de maneira resistente como alguns ativistas vivem, imaginando estarem fora do sistema, do império, por morarem em squatts invadidos, sobreviver de coleta, e indo de encontro a tudo que esta estabelecido na nossa sociedade, não está … A invasão , a coleta , a resistência esta inserida dentro de um sistema, até o mais mendigo dos mendigos vive sobre a alcunha capitalista , sendo parte ( desprezível, é verdade ) do Império.

Mas sinta que o Império treme. Não por idéias Neo – iluministas, não por termos uma nova geração de pensadores e formadores de opiniões ou filósofos com novas ideologias, capazes de uma “revolução permanente”, mas por se esgotar em si mesmo, se esgotar no humano, esgotar-se o sentido de existir. Nada se pode colocar no lugar desse sistema imperialista, que é o capital, sistema esse de curta duração ( se analisado a história econômica ), é o mais forte e com argumentos tão bem fomentados que parece pensar por só só, existir por si só … mas cairá por si só. Não da maneira poética profetizada por Karl Marx, mas de maneira anacrônica, igualmente a impérios e sistemas socioeconômicos que o antecederam e caíram. Caíram sim, mas não se extinguiram, hibridamente se transformaram em algo ainda mais devastador para a maioria que não detém o poder. Em nome de um pseudo sociedade, pseudo economia, pseudo neo-feudos, pseudo país, pseudo bloco econômico, os impérios tem o poder de isolar o que é subjetivo, aclopando todos em jornadas e vidas em uma rasteira pseudo vida, que por ser menos destruidora que a anterior, lhe dá sentido de melhoria se comparada com o passado, nos fazendo contentar em viver nossa subjetividade e pseudo liberdade por 48 horas e acharmos que esta certo e honesto.

O que surgirá no lugar do Império caído ( globalizado, mas caído ) ?

Infelizmente o que Max Weber chamou de “Espírito Capitalista”, não era na verdade o capitalismo propriamente dito, mas o espírito humano que não sabe ser livre, não consegue viver de maneira autogestiva ou igualitária, não sabe ser livre e cria Impérios ( seja terrreno ou celestiais ) e sistemas que continuam a manter a alto alienação de cultos a deuses, Impérios, imperadores, elites e toda e qualquer maneira que afaste o verdadeiro sentimento  desejo humano ou seja, o instinto animal por liberdade e por se sentir igual como espécies.

A queda do Império Capitalista é evidente e esta em curso , a queda da natureza livre humana já se extinguiu e é impossível recupera-la de maneira globalizada, estamos destinados a viver na existência que nós mesmos criamos e domina até a mente mais libertária e autogestiva existente.

O que surgirá no lugar ?? Se a espécie humana resistir, poderá vir algo novo e dominante de idéias e criadora de ideologias ainda mais fortes e marcantes ou , regredir a sistemas e impérios anteriores que ciclicamente e dialeticamente nos trouxe até aqui.

Comentários

comentários

Matérias relacionadas