Rush e o Ateísmo

rush

A música sempre teve uma relação muito próxima com a religião, desde obras feitas para exaltar valores religiosos comuns ao nosso mundo ocidental majoritariamente cristão – que vão de Bach à Oficina G3, passando por muitos outros – até visões menos ortodoxas – de Stravinsky a Corvus Corax, também passando por muitos outros.

Nesse contexto, o Rush é uma banda que sempre andou na contramão de muita gente: tocando um hard-rock agressivamente técnico e recheado de referências à filosofia e à literatura, eles, sabe-se lá como, acabaram se tornando uma das bandas mais importantes da história do rock.

A primeira mensagem ateísta mais evidente a despontar na carreira do trio foi na música Freewill, do álbum Permanent Waves, na qual Peart coloca o ser humano como responsável por seus próprios atos e desafia a ideia de um futuro predeterminado.

Each of us a cell of awareness
Imperfect and incomplete
Genetic blends with uncertain ends
On a fortune hunt that’s far too fleet

Cada um de nós é uma célula de percepção
Imperfeita e incompleta
Misturas genéticas com fins incertos
Numa caça ao tesouro em alta velocidade

Saltando um pouco no tempo, em Roll the Bones, Peart novamente questiona a ideia de destino e afirma que não há sentido na nossa existência, mas, ao mesmo tempo, nos desafia a dar o melhor de nós o tempo todo.

We come into the world and take our chances
Fate is just the weight of circumstances
That’s the way that lady luck dances
Roll the bones

Chegamos no mundo e apostamos
Destino é apenas o peso das circunstâncias
É assim que a Senhora Sorte dança
Rolem os dados

Com o tempo, a mensagem antirreligiosa foi ficando cada vez mais explícita e agressiva na obra do trio, principalmente por conta da crescente onda de terrorismo que tenta justificar suas ações por meio da religião. Porradas como Peaceable Kingdom, The Way the Wind Blows e BU2B surgiram como uma resposta ao fanatismo criminoso demonstrado por facções radicais do mundo todo.

Mas a mensagem mais bonita relacionada ao tema aparece na faixa Faithless, do álbum Snakes & Arrows, a qual nos convida a olhar para dentro de nós mesmos e encontramos nosso próprio equilíbrio e nossa própria bússola moral, colocando o amor e a esperança acima de qualquer crença.

I don’t have faith in faith
I don’t believe in belief
You can call me faithless
But I still cling to hope
And I believe in love    
And that’s faith enough for me

Não tenho fé na fé
Não acredito em crenças
Pode me chamar de descrente
Mas me seguro na esperança
E acredito no amor
E isso é fé suficiente para mim

Claro que analisar as letras do Rush não é uma tarefa simples, mas a ideia aqui era apenas mostrar uma pontinha do iceberg a quem tiver interesse. Tenho certeza de que quem quiser encarar essa jornada pelas letras maravilhosas e enigmáticas do trio não vai se arrepender.

[vsw id=”https://youtu.be/AM8wa-gtB7o” source=”youtube” width=”425″ height=”344″ autoplay=”no”]

Comentários

comentários

Matérias relacionadas