Sepultura 30 anos em Içara: Review fotográfica e resenha

A maior banda brasileira de todos os tempos, com mais discos vendidos no exterior na história, tinha pisado pela última vez na região carbonífera em 2012. Depois de todos esses anos, volta aqui com a turnê comemorativa dos seus 30 anos de banda.

Pesos pesados do Thrash Metal nacional tinha uma noite histórica para Içara, e talvez este seja o maior nome em muitos anos que o Colher de Chá estampará em seus headliners.

sepultura-30-anos-icara-2016-58
A casa abriu suas portas ás 18:00, com previsão de começar os shows as 20:00, com a banda Enemy, representante consolidada do hardcore com influencias do estilo nova iorquino, eles agitaram a galera a partir das 21:00(1 hora de atraso), num subpalco improvisado. A experiência dos músicos da banda que é relativamente nova em seus pouco anos de existência é notável, e eles já tem o carisma do público local.

sepultura-30-anos-icara-2016-12
Logo em seguida, após um curto intervalo foi a vez da Nekrós.
Banda de metal criciumense, com influências de stoner e thrash metal, demonstrou bastante desenvoltura no palco. Robson polivalente músico das bandas mais uma vez não deixou a desejar, e o destaque da banda fica para o baterista do grupo que tem técnica de sobra.
Eles não deixaram a desejar, e esquentaram as botas e coturnos que estavam preparadas pra solar ao ritmo das catacumbas.

sepultura-30-anos-icara-2016-46
Sepultura subiu ao palco as 23:00, levando a galera a loucura. O Colher de Chá virou um caldeirão. Ferveu!! Fãs de várias idades foram a loucura.
Tocaram velhas conhecidas, Territory, Biotech is Godzilla, Polícia, Refuse/Resist, Roots Bloody Roots, Atitude, Cut-Throat, Ratamahatta, Breed Apart, Dusted, Sepulnation, em si como prometido, o disco Roots inteiro. E alguns lançamentos que vão sair no disco em 2017.
Show memorável, inesquecível, um dia de realização para muitos, para outros reviver grandes momentos que embalaram o cenário mundial outrora.
Pequenos aborrecimentos, foi-me relatado que não seriam aceitos fotógrafos próximo ao palco, logo depois foi liberado para 2 fotógrafos ficarem na área protegida, cobertura oficial da produtora, e fotógrafa da casa. Deixando a cobertura feita pelo CEP de fora. Lamentavelmente, isso prejudicou muito o trabalho. Sejamos justos, se vale pra 2 poderia ter valido para as mídias envolvidas.

Assunto chato: ASSÉDIO SEXUAL!!! Meninas foram apalpadas na roda-punk. Lamentável isso acontecer num show de grandeza desproporcional para nossa região. Assim como os meninos tem o direito de se divertirem num evento, as meninas também têm esse direito. Onde fica o respeito com relação ás mulheres? Só toquem numa mulher se ela te der permissão.

O Colher de Chá é uma casa conhecida na região pela energia do local, e o respeito entre as pessoas que frequentam o ambiente. Essa paz foi profanada por caras que pareciam estar numa balada de outro gênero, assediando as meninas, puxando pelo braço, sendo inconvenientes.
Fora esses inconvenientes proferidos acima o show foi maravilhoso, e Içara/Criciúma aguardam ansiosamente por mais eventos de energias tão ocultas e profundas!

Texto e fotos por Soraia Antunes.

Fotos do evento:

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas