Diabo Verde: Lançamento de clipe

diaboverde

Após dois shows recentes no Hangar 110 em
São Paulo, o Diabo Verde se prepara para o lançamento de “Senhor
do Destino”, terceira música de trabalho do mais recente álbum da
banda (Veni, Vidi, Vici!, de 2016) e que conta com a participação
nos vocais de Rodrigo Lima do Dead Fish.

Palavras de Rodrigo: “Eu quero saudar os camaradas do Diabo Verde
por mais esse petardo
nessa dura vida que é ter uma banda independente nesse país chamado
Brasil. Saúdo com muita felicidade o clipe e quero agradecer pelo
convite pra participar desse som que, aliás, eu curti bastante!
‘Senhor do destino’ é foda! Hardcore melódico clássico,
porrada, bem do jeito que a gente gosta”.

A letra de “Senhor do Destino” fala sobre a felicidade e
autenticidade das pessoas: “Senhor do
Destino é uma música que diz ‘seja feliz do seu jeito e da sua
maneira. Não importa o que as
pessoas pensam. Jogue-se de coração em tudo o que você faz, pois
essa é a única maneira das coisas darem certo”, completa Paulinho
Coruja, vocal e guitarra do Diabo Verde.

O lançamento do clipe de “Senhor do Destino” está programado
para o dia 25 de abril e estará disponível em todas as redes sociais
do grupo. O vídeo foi gravado durante o show de lançamento de Veni,
Vidi, Vici! no Imperator (Rio de Janeiro), tradicional casa de shows
da cidade no final de 2016.

Comentários

comentários

Cremo é idealizador e fundador do Cultura em Peso, Asatrú, amante incondicional da fotografia e da cena underground, na qual vive intensamente há 16 anos. Formado em Redes para Computadores, é ex-vocalista das bandas La Tormenta (Grind) e Dead Bush (Punk), ambas de Minas Gerais. Ouve de Punk Rock a Metal Extremo, tendo como principais bandas na sua playlist Ratos de Porão, Napalm Death, Extreme Noise Terror, Circulo Activo, Amon Amarth, Elluvetie e Lacerated and Carbonized. Literalmente um Viking que não marca território: o mundo é sua morada. Lê constantemente sobre política, religião, história das guerras e a autodestruição humana que não aprendeu até hoje a viver com as diferenças. Some com a cena ou suma dela mesmo, agora!

Matérias relacionadas