O Sol de Sangue

O Sol de Sangue

  Foi na última chuvarada do ano, e a noite estava preta. O homem estava em casa, chegara tarde, exausto e molhado, depois de uma viagem mortificante, e comera, sem prazer, uma comida fria. Vestiu o pijama e ligou o rádio, mas o rádio estava ruim, roncando e estalando. Era tudo muito frio, obscuro. A solidão impregnava no vazio de sua alma. Seu coração estava congelado, com a morte que já tinha ido lhe visitar várias vezes…mãe, mulher, filhos…agora são apenas cadáveres. Não tinha mais motivo para continuar. Por que…

Leia mais aqui

Os três palhaços

Os três palhaços

  Pouco se sabia sobre eles. Também ninguém tinha interesse em saber. Três pacatos homens, de meia-idade, vida padrão, considerados “totalmente normais” pela comunidade que moravam. Trabalhavam como palhaços em todas as festas da cidade, também possuíam uma lanchonete, na praça principal, a mais famosa da cidade. Também havia na cidade um pequeno centro de quimbanda, detestado pela maioria dos habitantes, tradicionais e cristãos, da pacata cidade que moravam, acusado várias vezes pelo misterioso desaparecimento de várias crianças, todos os anos. São sempre seis crianças, de seis anos, em todos…

Leia mais aqui

Final de Inverno

Final de Inverno

  Final de tarde, céu fechado, neblina, muito frio. Ela chorava incondicionalmente, gritava. Descalça e sangrando, perdida entre árvores, cipós e trilhas, ela não via saída para a desgraça que o destino reservava…foi certo. O inferno não durou pouco, a agonia foi profunda e prolongada. Entre berros, choro, dor e o orvalho das folhas misturado ao sangue, dilacerava-se pouco a pouco o corpo estremecido pelo medo. A morte chegou. Os convidados também. Começa a celebração Necromântica, o início da noite, o início da morte-viva. Entre volúpia, orgias e necrofagia, a lua…

Leia mais aqui

Cela de ossos

Cela de ossos

  Cela De Ossos No alto de uma montanha, aquela torre se misturava à neblina e ao frio. Foi cuidadosamente construída para o prazer de velhos pervertidos no auge de sua insanidade. Magníficas cenas de violência e dor para preencher olhos sedentos…ah, eles lacrimejavam de prazer… Assim era o cotidiano daqueles anciãos, com sua mais bela criação de lobos treinados para dilacerar até a morte. Aquela cela já fedia à tanta carne podre, e aqueles lobos que nela viviam adoravam, pelo seu tapete de carcaças que alimentava e confortava. Vísceras, couro…

Leia mais aqui