Dores imprescindíveis

Dores imprescindíveis

          Dores Imprescindíveis Siga meus pés… Que descalços atravessam a rua desolada de emoções. Levarei você até os limites de minhas mãos, Meus passos ensanguentados de solidão Banhados da tua ausência, Denunciam as falhas em nossas memórias, Pois meu corpo não tem segredos como os teus… Este é o ponto final! Foi exatamente aqui que tudo começou. Agora a sombra de nossos erros Acolherá o que eu sou Por uma geração inteira… Não que seja suficiente, Mas é que conscientemente Eu preciso dessa dor de quase…

Leia mais aqui

Por vezes sou o espelho do diabo

Por vezes sou o espelho do diabo

Talhada de plangor sentei-me junto ao tabuleiro Servi-me de chá insípido e álgido, beirava agosto Bem assim, sem gosto Era eu. Considerava minha silhueta branda, tremendo Refletida na parede de cimento suja Embora minha sobriedade ruja O vinho calava-me a boca O silencio era vital A conciencia me gritava Ali eu mesma estava Decidindo se dormia. Tomei nas mãos o sono Com um gole amargo de dissabor Insatisfeita pelas marcas em meu pudor Empunhei o artifício de metal Um disparo foi o que me permiti contar Depois o que eu…

Leia mais aqui